Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Ola Portugal and USkP (part 2!)

here is the image (I said I was new to this)


Ola Portugal and USkP

I’m presently travelling in Portugal having given a paper at an international workshop on water history. What better way to acknowledge the warmth of the hospitality that I have received than by sharing some sketches with fellow USkP members?


I’m new to this (sharing sketches online) so I’ll start with a very small retrospective by sharing a favourite sketch from my last visit just to ‘dip my toe in the water’. What a wonderful country, what wonderful people, and what wonderful potential for sketching!

roygbiv (aka Richard Aitken)

Marina de Oeiras

Foi com surpresa, que constatei, que o barco grande que me tapava a vista da esplanada há 5 meses, saiu para férias, corri para casa a buscar o caderno, para fixar este espectáculo.

Marina de Oeiras, vista da esplanada "Cup of Joe".

Gente de côr






domingo, 23 de julho de 2017

ENcosta uma experiência social incrível

Estou de regresso de uma semana que me irá marcar para sempre. Trata-se do projeto ENcosta, um projeto de reabilitação urbana que tem início em Torres Vedras. Vale a pena ler a introdução do projeto (AQUI) pelas palavras do André Duarte Batista que o abraçou com alma e coração.
Ao longo da semana irei tentar explicar por palavras o que vivi nestes dias.
No dia 17 eu e a Suzana Nobre encontramo-nos com o André Batista no Choupal, uma zona magnífica do norte da cidade, que já recebeu prémios pelo seu projeto paisagístico. Apesar de já ter publicado volto a deixar aqui a imagem mais de acordo com o desenho original. E foi assim que se deu início a esta residência artística.

Quem está no choupal e olha para norte vê a encosta de São Vicente, a área abrangida pelo projeto de reabilitação urbana da Câmara Municipal de Torres Vedras . Do lado direito do desenho da Encosta de São Vicente podemos ver a Ermida da Nossa Senhora do Amial. Se continuarmos  pela nacional 8 (lado direito da Ermida) vamos passar pelo antigo Matadouro Municipal onde vai nascer o Centro de Artes e Criatividade com uma forte ligação ao Carnaval. 
A manhã de segunda feira foi passada a conhecer a zona de intervenção. O André teve o cuidado de explicar aos residentes para o que vínhamos, uma vez  que grande parte da população é idosa. 
Estava tudo preparado para começarmos a explorar
Encosta de São Vicente

Antigo Matadouro Municipal

MORANGOS

Enquanto uns se preparam para o simposio de Chicago eu preparo-me para comer estes deliciosos morangos de Sintra. Estão na época, cheiram bem e sabem ainda melhor e aqui os publico em tamanho natural ( são pequenos).
Leonor Janeiro

Chicago no Youtube

Ainda não começou o 8º Symposium USk em Chicago mas as coisas já fervem.
Este ano, pela primeira vez, haverá emissões streaming em direto, no canal youtube dos USk:


Quem quiser pode inscrever-se (na página de abertura), para receber avisos quando houver emissões.

Véspera da ENcosta

E lá sai do trabalho a correr p'ra Encosta de S. Vicente, em Torres Vedras, na sexta-feira, para apanhar ainda o António Procópio e a Susana Nobre a desenhar. Era véspera do encontro de desenho Encosta de S. Vicente/Reabilitação Urbana organizado pela Cooperativa de Comunicação e Cultura. Cheguei quando estavam quase a bater em retirada, com os reforços riscadores da Ana Ramos e do Bruno Vieira. Rapidamente, tirei do alforje caneta, pincéis e aguarelas e disparei para o caderno. Foi tudo muito rápido e saiu este rabisco, duma casa abandonada na Rua das Linhas de Torres Vedras.

Cascais Casa das Histórias, Paula Rego


Cascais - Casa da Cultura e Casa das Histórias

Num Domingo soalheiro e quente fomos a Cascais, procurar sombras.

A Casa da Cultura.

A Casa das Histórias.

sábado, 22 de julho de 2017

Oneweek100people, dia 06

A passos rápidos aproxima-se a partida para Chicago.
Já estou afiando os lápis.

Tardes perfeitas em Lisboa

 Uma bebida fresca na companhia do meu filho.

Um café na companhia da minha mulher e da minha filha.

Boca de Incêndio


Para que exista compatibilidade no combate aos incêndios cada boca tem 3 roscas com diâmetros distintos para diferentes tipos de mangueira. (O desenho permite observar estas coisas.)  


Ericeira

Na Ericeira com algum calor, no sábado, demos com este cenário. Os moradores só o conhecem como Rua do Norte, mas penso que se possa chamar, Largo do chafariz, pois o dito chafariz data de 1928.

A Rua do Norte (fim).

Alcáçovas

O "Paço dos Henriques", classificado como Imóvel de Interesse Público em 1993, é um complexo arquitectónico composto por dois espaços diferenciados, a casa de habitação  e o Horto murado junto da Capela de Nossa Senhora da Conceição, conhecido pelo "Jardim das Conchinhas". Alvo de um projecto de recuperação entre 2014 e 2015 acolhe o Posto de Turismo, exposições temporárias e serviços educativos. Sempre gostei deste jardim onde graças a um sistema hidráulico a presença da água está sempre garantida mas também pela encantadora arte dos embrechados (incrustação de conchas, búzios e pedras) e agora, depois de recuperado, o tanque central está lindíssimo.

sexta-feira, 21 de julho de 2017



Hoje no dia do meu Baptismo na publicação de Desenhos. Inicio com um esboço da Igreja onde em pequeno fui Baptizado.
 Igreja São João de Deus, Praça de Londres, Lisboa   


Azenhas, 7 maravilhas de Portugal

Fiquei pasmada quando, no bar da praia, vi um folheto em que a aldeia das Azenhas do Mar é candidata às 7 maravilhas de Portugal. Todos sabemos que, à luz das leis e portarias urbanisticas, a aldeia é chumbada e deveria ser demolida. Está construida em arribas, a menos de 200m do mar e com mais de 30% de inclinação. Enfim,um aglomerado fora da lei! Mas é por tudo isso que ela é agora candidata. Não teve arquitectos ou urbanistas (contra mim falo) foi expontanea , tal como muitas congeneres em Italia, por exemplo,  e que servem de case study aos colegas dos mais prestigiados gabinetes de projecto do mundo.
Leonor Janeiro

Lisboa Oriental - edição de livro e exposição

A Câmara Municipal de Lisboa lançou-nos o desafio de desenharmos a zona de Lisboa Oriental a fim de editar um livro com percursos e os principais pontos de interesse.

Só alguns dos desenhos serão selecionados em virtude da capacidade limitada de espaço e dos parâmetros de qualidade que a edição exige. No entanto todos os desenhos farão parte de uma exposição itinerante.

Em baixo está a lista dos locais a serem desenhados. Esta lista pode ser actualizada. Fazer até fins de Setembro.

No dia 23 de Setembro haverá um Encontro na Praça David Leandro da Silva onde está o emblemático edifício Abel Pereira da Fonseca. Este Encontro acontecerá também no âmbito do Dia Mundial do Património.

Desenho de Eduardo Salavisa

Abel Pereira da Fonseca (Armazém Vinícola) Praça David Leandro da Silva, 1-7; Rua da Cintura do Porto de Lisboa, S/N; Rua Amorim, 2-12

Biblioteca de Marvila Rua António Gedeão

Cerealis - Produtos Alimentares, S.A. Av. Infante Dom Henrique 15C

Convento de Santos-O-Novo Largo de Santos-o-Novo Calçada Cruz da Pedra 44

Convento do Beato António (ou Convento de São Bento de Xabregas) Alameda do Beato

Delta Cafés Lisboa Avenida Infante Dom Henrique 155

Estação Ferroviária de Lisboa - Santa Apolónia Av. Infante Dom Henrique 1

Igreja de Chelas Rua de Ovar, Chelas

Manutenção Militar (Poente) Rua do Grilo 109

Museu Militar Largo Museu da Artilharia

Museu Nacional do Azulejo (Antigo Convento da Madre de Deus e Igreja) Rua da Madre de Deus 4

Palácio da Mitra Rua do Açúcar 56-64 Teatro Ibérico Rua de Xabregas 54

Vila Dias Beco dos Toucinheiros

Vila Maria Luisa (antigo Palacete D. Gastão) Calçada de Dom Gastão

10x10 no Mercado de Campo de Ourique

Tema 9: Mercado local = grandes profissões
Pedro Loureiro

Foi um fim de tarde muito stressante! Lisboa estava caótica, com transito em toda a parte! Era indiferente fugir por esta ou aquela estrada! Estava tudo parado! Provavelmente um acidente algures no meio da cidade terá provocado o caos... Resultado: nós chegamos atrasados, o instrutor chegou atrasado e outros terão chegado ainda mais atrasados! E por isso o primeiro exercício que o Pedro tinha em mente para colocarmos em prática no mercado ficou como trabalho para casa!


Uma profissão exercida no mercado.
A proposta seria desenhar o profissional, o produto e o cliente! Escolhi a banca dos frutos secos, onde estava a Esmeralda. Não parou nem por instantes de trabalhar! Só os clientes a faziam pousar os enormes sacos de frutos secos que estava constantemente a pesar na velha balança! Tenho a certeza absoluta de que não só os produtos, mas como também a sua enorme simpatia faziam com que muitos clientes se aproximavam da sua banca!


Uma refeição servida no mercado.
Desenhar a trajectória de uma refeição, desde do momento em que a comida é feita até as sobras serem retiradas da mesa. Sim, desenhar quem a cozinha, quem a serve, quem a come e quem limpa o que resta dela! Tive o azar de não chegar a tempo para desenhar o hambúrguer e as batatas a serem saboreadas pelos clientes... escolhi uma refeição fácil de ser engolida e por isso faltou-me a última parte do exercício...

Junto ao mar

Oeiras

Troia